quinta-feira, 23 de março de 2017

Determine que 2017 será o seu melhor ano. 
Aprenda o estilo de liderança mais eficaz e de sucesso do mundo.
Participe do CONGRESSO ONLINE GRATUITO O MONGE E O EXECUTIVO.
>> Clique no link abaixo e inscreva-se: 



       Logo          Logo2

III Congresso online gratuito sobre Liderança no método 'O Monge e o Ex...

Participe! Faça sua Inscrição gratuita no III Congresso online gratuito sobre Liderança no método 'O Monge e...

                      Logo+            Logo2

terça-feira, 14 de março de 2017

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: COMO TREINAR UM TIME ORIENTADO A SOLUÇÕES

Laís GrillettiEndeavor BrasilTime de Conteúdo - 03, MAR, 17

Por onde você começa a resolver um problema complexo? Descubra como funciona o treinamento de Resolução de Problemas aplicado aos funcionários do Guia Bolso — e como ele aumentou a autonomia do time.
Em uma empresa de alto crescimento, as chamadas scale-ups, o relógio corre na velocidade dos cachorros: uma hora vale por duas, um mês por três e um ano por sete. Nesse ritmo, é vital olhar para a eficiência do time e sua habilidade de resolver problemas sem desperdiçar esforços e com foco no que pode trazer mais resultados. Em junho do ano passado, era essa a principal necessidade do Guia Bolso, empresa apoiada pela Endeavor que oferece um aplicativo para você fazer sua gestão financeira pessoal.
Enxergando a necessidade de uma reciclagem do time mais jovem, Paula Crespi propôs aos analistas de Atendimento, Marketing e Produto uma série de treinamentos que poderiam ser aplicados pelas lideranças. Ela levou algumas sugestões de temas para os funcionários e fez uma votação. Os próprios analistas decidiram quais eram os treinamentos mais necessários para desempenharem bem o seu papel: o de feedback para a evolução individual e o de problem solving — resolução de problemas.
Mas se você imagina que os treinamentos da sua empresa precisam de uma apresentação estruturada, com Power Point e storytelling definidos, o exemplo do Guia Bolso está aí para provar que eles podem ser simples, eficientes e baratos. Com uma lousa e todo conhecimento de Alice Iglesias — head de engajamento na época — os analistas passaram quatro dias trabalhando em conjunto para solucionar desafios reais das áreas, a partir da metodologia ensinada. Eles mesmos levavam os problemas e saiam de lá com o dever de casa para desenvolver até o próximo dia.
O que começou em apenas três áreas cresceu e chegou na empresa toda. Hoje, o treinamento é aberto para todo mundo e foi desenvolvido com a ajuda da Ventus Learning, especializada em programas de capacitação para times de alta performance. Apesar de ser opcional para o time de desenvolvedores, e já existem planos de inclui-lo como etapa fundamental do processo de onboarding dos novos funcionários — assim com o treinamento de feedback.
Por ser um treinamento bem mão na massa, os resultados apareceram logo. Um dos melhores exemplos é da analista de engajamento Victoria Giroto, que participou da primeira turma em 2016. Ela tinha o desafio de aumentar o engajamento do novo usuário, aquele que tinha acabado de entrar, para que continuasse acessando o aplicativo depois. Usando as técnicas de problem solving, Victoria analisou todos os serviços oferecidos pelo app e percebeu que quem usava mais um desses serviços — o de categorizar uma transação financeira para saber com o que você tem gastado seu dinheiro — era muito mais engajado do que quem usava os outros. Com essa informação descoberta, ela foi conversar com o time de Produto.
Lá, encontraram juntos uma solução de onboarding para novos usuários.
Quando alguém entrava pela primeira vez no Guia Bolso, recebia a seguinte mensagem: “Hey, sabia que você pode categorizar uma transação?” E assim o usuário era guiado até esse serviço. O experimento no aplicativo IOS chegou a aumentar em 30% o número de usuários retornantes (uma métrica de mercado conhecida como D+1). Hipótese validada e um exemplo prático de como a metodologia pode ajudar a solucionar problemas reais.
Mas, como funciona o treinamento?
A abordagem de resolução de problemas difíceis muda de acordo com o objetivo inicial. No caso do Guia Bolso, eles precisavam encontrar maneiras rápidas de identificar um problema e propor soluções, colocando a autonomia na mão das pessoas.
De um jeito mais simples, o que o método propõe é quebrar um grande problema em partes menores. Cada parte é estruturada dentro de uma árvore de problemas com os maiores no topo. A cada nível da árvore, são adicionados elementos táticos e mais específicos que serão analisados. A análise é conduzida a partir da busca por fatos e dados, que chegam na hipótese que tem maior potencial de solucionar o problema. Assim, com a possível solução encontrada, é feita uma síntese do processo que levou até ela e uma recomendação — a maneira como essa pessoa vai contar para o time a solução que encontrou.

No final desse exercício, você precisa ser capaz de responder três perguntas:
- Qual é o problema
- Qual é a solução
- Quais as razões que te levaram a chegar nessa solução
1) Definindo o problema: Apesar de prático, o problema deve inspirar as pessoas que vão gastar tempo e energia em busca da solução. Às vezes, uma escolha de palavras pode definir o entusiasmo com que seu time abraça um novo desafio:
Além disso, se ele for muito genérico, sem determinar métricas e tempo de execução, ninguém saberá, ao final, se o objetivo foi atingido e o problema resolvido. Para isso, a abordagem SMART funciona para validar se o problema está bem definido.


Se você já tem um problema em mente que gostaria de trabalhar, passe pelo teste do SMART. Se ele responder às cinco letras, está pronto para seguir para a próxima fase. Além disso, o Guia Bolso utiliza uma ferramenta com uma série de perguntas que formatam o problema, antes de partir para a análise.

Na prática, o que poderia começar com:
Como podemos atingir a meta de aquisição de novos clientes neste ano?
Se transforma em algo como:
Como podemos adquirir 200 mil novos clientes até dezembro de 2017, otimizando o funil de vendas, sem aumento significativo de investimento pago em mídia e publicidade?
2) Estruturando o problema
Aqui vai uma pergunta: Como você faria para comer um elefante?
Parece esquisito, né?
Mas, a resposta é simples. uma mordida de cada vez. Ninguém ousaria comer um elefante em uma mordida só.
Para os problemas complexos também funciona assim: em vez de lidar com a questão inteira, o ideal é dividi-la no máximo de pedaços que você puder e, assim, analisar cada um separadamente. Você parte do problema inicial e segue com sub-perguntas, adicionando novas camadas no formato de uma árvore de problemas.

Para funcionar, vale seguir algumas dicas de quem já vem montando árvores lógicas há bastante tempo:
1. Faça logo uma primeira versão. Pode haver uma tendência a gastar muito tempo tentando montar a árvore perfeita. Há mais de uma boa solução de árvore lógica para cada problema. Assim, você chega a uma resposta melhor mais rápido. Avance rapidamente e experimente diferentes maneiras de montar a árvore para entender melhor o problema;
2. Mantenha simples e ajuste depois: árvores mudam a medida que mais fatos são revelados;
3. Busque novas perspectivas: sessões de discussão de hipóteses canalizam a criatividade de todos e tendem a trazer melhores respostas, além de serem mais divertidas . Experimente uma versão do ponto de vista do CFO e outra do estagiário e veja como elas podem ser diferentes.
4. Dê um passo de cada vez. Às vezes, é mais fácil pensar em subquestões e análises e depois agrupá-las, em vez de trabalhar linearmente; diferentes árvores podem trazer novas perspectivas ao problema. Se estiver muito difícil pular para o segundo nível, faça o caminho inverso das questões táticas para as estratégicas.
Se você realizar esse exercício, vai se deparar com pelo menos 20 perguntas diferentes que, se respondidas, podem impactar na solução do problema que você está investigando. Mas, em meio a tantos caminhos, como priorizar aquele que vai te trazer o maior retorno?
Comece eliminando as questões que não são tão essenciais para a resolução do problema.

Lembra da história do elefante? Então, chegou a hora de escolher por qual pedaço da árvore você vai começar a digerir o problema. Escolha uma das sub-perguntas e trabalhe as hipóteses relacionadas para chegar mais perto das soluções possíveis. Pode ser que você tenha tempo de fazer um exercício para cada sub-pergunta, mas na prática a própria visão da árvore vai te indicar qual pedaço vale mais a pena investigar a fundo porque tem potencial de grande impacto.
A ideia é que você encontre o maior número de hipóteses para trabalhar em cima dessa pergunta que você escolheu. Quanto mais exaustivo for o exercício, maior é a possibilidade de você ter encontrado no meio de tantas ideias, uma que vai ter maior impacto na solução do seu problema.
Mas, como saber qual dessas hipóteses merece uma aposta? Use a Matriz de Priorização.

Para a árvore de hipóteses ser útil, é preciso desenvolver nos funcionários o pensamento top-down. Isso significa que a solução do problema começa no topo, no que é mais estratégico e não tático. A principal diferença é que assim o direcionamento será dado a partir da definição das questões mais importantes e não dos detalhes de um fato isolado.
3) Desenvolvendo as análises: Definida a pergunta com a qual você vai trabalhar, chegou a hora de coletar os fatos e dados que vão te ajudar a chegar nas hipóteses. Nessa hora, a imparcialidade é fundamental para que os dados sejam a bússola e não digam apenas aquilo que você quer ouvir. Para isso, é importante manter a visão maior da pergunta que o guia, ao mesmo tempo em que você mergulha no que é mais específico para entender a relação entre os dados que você analisa e a hipótese principal.
Lembra da história da Victoria, analista do Guia Bolso, que precisava aumentar a taxa de engajamento dos novos usuários no aplicativo? Então, nesse momento de análise ela foi estudar quais serviços, dentre todos oferecidos, tinham taxa maior de usuários engajados. E, a partir daí, descobriu que o item de categorizar transações era o que mais engajava as pessoas a usarem de novo o aplicativo.
4) Sintetizando e criando a recomendação: Enquanto os dados representam as informações mais cruas, a síntese é uma versão explicada que responde a pergunta: então, o que? O que eu faço com essa informação? Está aí a parte mais importante do processo.
A síntese faz mais do que condensar a informação analisada. Ela ressalta os elementos em comum entre os fatos, mas trazendo implicações dos fatos e aprendizados – um insight, que vai levar à descoberta de uma solução.
O mais importante é que o processo de resolução do problema não acaba quando se descobre a melhor solução disponível. De nada adianta um insight que não é comunicado para o time. Por isso, estruturar a recomendação é a etapa final.
Ao fazer uma recomendação, a estrutura é bastante simples. Você explica o problema, apresenta a solução encontrada e desdobra quais foram as razões que te levaram a chegar nessa solução. No caso do Guia Bolso, o exercício de síntese era tão preciso que o time tinha apenas dois minutos para explicar ao CEO da empresa, no elevador, o que está acontecendo, quais são as recomendações e o que ele faria para solucionar o problema. E no caso da sua empresa, o jeito como você comunica as soluções encontradas para o seu time de lideranças também pode seguir esse modelo, sem slides de Power Point muito extensos.
A mudança de mentalidade aqui está no hábito das pessoas de começarem relatando uma situação, com sua opinião vinculada, para depois chegar ao problema e, por fim, à solução.
Agora, é comum ouvir por entre os corredores do Guia Bolso alguém dizer: Para resolver esse problema, vamos fazer uma árvore? Mesmo que algumas pessoas mais analíticas tenham mais facilidade do que outras, é uma ferramenta transversal que pode ser aplicada para qualquer problema complexo que algum deles venha a enfrentar um dia.
* O treinamento detalhado nesse artigo foi desenvolvido pela Ventus Learning especialmente para o time do GuiaBolso. Ele faz parte de uma série de outros programas de capacitação para times de alta performance. Se quiser saber mais sobre esse tema,  entre em contato pelo contato@ventuslearning.com.br.

quinta-feira, 2 de março de 2017


O portal dos Cursos Livres EAD da Kroton firmou uma parceria exclusiva para
todos os alunos. Agora, você tem acesso a diversas dicas sobre os programas da
Microsoft mais utilizados no mundo: Word, PowerPoint, Excel, Outlook,
OneNote e Skype For Business.


Acesse agora mesmo, e fique por dentro de funcionalidades que podem descomplicar
sua rotina de estudante.


OS 7 TIPOS DE INTELIGÊNCIA: QUAL É O SEU?
DA REDAÇÃO - IG EDUCAÇÃO - 20/02/2017 - SÃO PAULO, SP


A EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA
Durante grande parte dos séculos 19 e 20, acreditou-se que a inteligência podia ser facilmente medida, determinada e comparada através de testes, como o famoso teste de QI, por exemplo, que determinava a inteligência da pessoa em números. No entanto, com o tempo, o teste de QI foi caindo em descrédito, pois pouco a pouco foi se notando que nem sempre as pessoas mais inteligentes e bem sucedidas obtinham os melhores resultados.
Os psicólogos e pesquisadores começaram a notar que havia alguns casos de pessoas que obtinham resultados medíocres nos testes de QI, mas que se davam bem na vida, pois eram determinadas, disciplinadas, persistentes e carismáticas.
A resposta é simples: existem vários tipos de inteligência!
Segundo Howard Gardner, psicólogo autor desta teoria, existem ao todo sete tipos de inteligência e todas as pessoas têm um pouco das sete dentro de si. No entanto, cada pessoa tem um desses tipos mais desenvolvido e que se sobrepõe sobre os outros.

Os 7 tipos de inteligência identificados no trabalho de Howard Gardner são:
- Inteligência Linguística
As pessoas que possuem este tipo de inteligência têm grande facilidade de se expressar, tanto oralmente como na forma escrita. Além da grande expressividade, também têm um alto grau de atenção e sensibilidade para entender pontos de vista alheios. É uma inteligência fortemente relacionada ao lado esquerdo do cérebro é uma das mais comuns.

- Inteligência Lógica
Pessoas com esse perfil de inteligência têm uma alta capacidade de memória e um grande talento para lidar com matemática e lógica em geral. Elas têm facilidade para encontrar solução de problemas complexos, com a capacidade de quebrar estes problemas em problemas menores e ir resolvendo cada um deles até chegar à resposta final. São pessoas organizadas e disciplinadas. É uma inteligência fortemente relacionada ao lado direito do cérebro.

- Inteligência Motora
Pessoas com este tipo de inteligência possuem um grande talento em expressão corporal e têm uma noção espantosa de espaço, distância e profundidade. Têm um controle sobre o corpo maior que o normal, sendo capazes de realizar movimentos complexos, graciosos ou fortes com enorme precisão e facilidade. É uma inteligência relacionada ao cerebelo, que é a porção do cérebro que controla os movimentos voluntários do corpo. Presente em esportistas olímpicos e de alta performance, é um tipo de inteligência diretamente relacionado à coordenação e capacidade motoras.


- Inteligência Espacial
Pessoas com este perfil de inteligência têm uma enorme facilidade para criar, imaginar e desenhar imagens 2D e 3D. Elas possuem grande capacidade de criação em geral, mas principalmente apresentam um enorme talento para a arte gráfica. Pessoas com este perfil de inteligência têm como principais características a criatividade e a sensibilidade, sendo capazes de imaginar, criar e enxergar coisas que quem não tem este tipo de inteligência desenvolvido, em geral, não consegue.

- Inteligência Musical
É um dos tipos mais raros de inteligência. Pessoas com este perfil têm uma grande facilidade para escutar músicas ou sons em geral e identificar diferentes padrões e notas musicais. Eles conseguem ouvir e processar sons além do que a maioria das pessoas consegue, sendo capazes também de criar novas músicas e harmonias inéditas. É como se conseguissem `enxergar` através dos sons. Algumas pessoas têm esta inteligência tão evoluída que são capazes de aprender a tocar instrumentos musicais sozinhas. Assim como a inteligência espacial, este é um dos tipos de inteligência fortemente relacionados à criatividade.

- Inteligência Interpessoal
Inteligência interpessoal é um tipo de inteligência ligada à capacidade natural de liderança. Pessoas com este perfil de inteligência são extremamente ativas e em geral causam uma grande admiração nos outros. São os líderes práticos, aqueles que chamam a responsabilidade para si. Eles são calmos, diretos e têm uma enorme capacidade para convencer o outro a fazer tudo o que acharem conveniente. São capazes também de identificar as qualidades das pessoas e extrair o melhor delas, organizando equipes e coordenando trabalho em conjunto.

- Inteligência Intrapessoal
É um tipo raro de inteligência também relacionado à liderança. Quem desenvolve a inteligência intrapessoal tem uma enorme facilidade para entender o que as pessoas pensam, sentem e desejam. Ao contrário dos líderes interpessoais, que são ativos, os lideres intrapessoais são mais reservados, exercendo a liderança de um modo mais indireto, através do carisma, e influenciando as pessoas através de ideias e não de ações. Entre os tipos de inteligência, este é considerado o mais raro.

As Inteligências Predominantes:
Porcentagem das pessoas em que cada tipo de inteligência predomina:
Inteligência Linguística * 29 %
Inteligência Lógica * 29 %
Inteligência Motora 16 %
Inteligência Espacial 14 %
Inteligência Musical 6 %
Inteligência Interpessoal 4 %
Inteligência Intrapessoal 2 %
* São as chamadas Inteligências Clássicas, as inteligências que aparecem no teste de QI.


Clipping Educacional